Benchmarking: você sabe o que é?

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

A grama do vizinho sempre é mais verde? Talvez esteja na hora de parar de se lamentar e começar a agir. “Sim, mas como?”, você pergunta na sequência. Saiba que as grandes corporações observam, sim, a concorrência, e na maioria das vezes não é de longe como se fosse espionagem industrial ou algo do gênero. Muitas vezes vão aprender a fórmula do sucesso direto na fonte e os concorrentes ainda abrem as portas para que isso aconteça!

Pode parecer estranho, um pouco utópico até. Mas a prática existe no mercado, é feita às claras e tem até um nome para isso: benchmarking. O Japão recorreu à técnica nos anos 90, quando sua economia estava estagnada e empresas americanas despontavam como líderes no mercado e serviram de referência para os orientais. A taxa de mortalidade das empresas japonesas foram reduzidas em 24%, ajudando no renascimento da economia do país.

Claro que explicamos grosseiramente, mas o conceito é exatamente esse para o benchmarking. A técnica que compara dois sistemas em busca de melhorias, ideias e conhecimento é bastante comum. Que fique claro: não se trata de copiar nada de ninguém, mas conhecer técnicas interessantes que venham agregar valor aos seus processos, até porque o que pode funcionar em uma empresa pode não dar certo em outra. Tudo é uma questão de levantar as informações e adaptá-las à realidade.

Como é feito o benchmarking

Por meio de visitas técnicas, o funcionário realiza as idas à concorrência para a ação de relacionamento, com um roteiro preestabelecido, para saber quais dados são interessantes para seu levantamento. Cabe lembrar que, como em um bom acordo de cavalheiros, sua empresa também deve estar apta a receber a concorrência para benchmarking.

Benefícios do benchmarking

O benchmarking é uma forte ferramenta de diagnóstico da concorrência no mundo corporativo. Cria estratégias e novas ideias a partir do que já existe, sem a necessidade de reinventar a roda. Atualiza a empresa com as melhores práticas vigentes, melhora a comunicação, profissionalização e visão dos processos, podendo reduzir custos e erros.

Tipos de benchmarking

Existem algumas modalidades específicas de acordo com o que a empresa quer. O benchmarking pode ser:

  • Genérico: compara parâmetros funcionais, como, por exemplo, a entrega de um produto.

  • Funcional: facilmente confundido com o item anterior, mas consiste em um aspecto específico, como a logística.

  • Competitivo: focado em processos e gestão de processos e concorrência. É o tipo mais difícil de fazer, por motivos óbvios: as empresas escondem o mapa da mina.

  • Interno: nem sempre é preciso ir longe para realizar o benchmarking em empresas de fora. As próprias áreas internas podem servir de referência em vários quesitos para outras da mesma empresa, seja por índices de produtividade, gestão ou outras boas práticas.

O benchmarking não é uma ação com ciclo de vida curto, pois não deve parar após a pesquisa/visita realizada. Isso porque é necessário dar sequência e criar um plano de ação com metas a serem aplicadas de acordo com a realidade de sua empresa e do que foi aprendido no processo.

E na sua empresa, você tem o hábito de fazer benchmarking? Está pronto para adotar a prática em sua gestão? Deixe um comentário e compartilhe suas ideias conosco!

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta