Cinco passos para abrir uma empresa

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Uma pesquisa feita em 69 países e divulgada em janeiro de 2013 pela Global Entrepreneurship Monitor (GEM) mostrou que o sonho de 43,5% dos brasileiros é ter seu próprio negócio. O dado mostra bem o espírito empreendedor da população. No entanto, para ter sua própria empresa é preciso ter mais do que vontade. Disciplina, organização e persistência são fundamentais para que o sonho de ser empresário não vá por água abaixo.

Quem deseja abrir seu próprio negócio tem alguns passos a seguir. Levá-los a sério pode ser a diferença entre fechar as portas do sonho em alguns meses. Todos esses passos devem estar descritos no Plano de Negócios. É nele que tudo começa. Com esse documento o futuro empresário saberá se estar embarcando numa nova vida ou num barco furado.

O Plano de Negócios vai servir de orientação. Nele os detalhes aparentemente mais irrelevantes devem ser considerados. Uma falha sequer e tudo afunda.

Passo 1

Sozinho ou Sociedade

Decidir as características jurídicas e administrativas é um bom início. Aqui caberão as decisões se a empresa será individual ou uma sociedade. Essa é uma das decisões mais sérias. Ter um sócio pode ser uma ótima ideia já que as responsabilidades e tarefas ficam divididas.

As discordâncias entre sociedades são mais comuns do que se pensa. Deixar claro o papel de cada um e até onde vai a autonomia de ambos nunca é demais. Informações como o pró-labore de cada um também precisam constar nessa etapa do Plano.

Passo 2

Conhecendo o negócio

Nesse passo deverá estar exposto tudo sobre o setor que a nova empresa pretende atuar; falar sobre quem é o consumidor e o que ele esta está disposto a pagar pelo produto/serviço que a empresa deseja oferecer; relação com fornecedores e com funcionários e plano para os primeiros 12 meses.

Depois que o negócio estiver aberto o Plano pode sofrer alterações caso se identifiquem novos caminhos e necessidades, mas sua base deve ser muito detalhista e realista.

Importante: não se deve manipular o Plano. Se ao final de uma pesquisa revela-se que aquele serviço/produto não é viável, não seja uma aventureiro teimoso. Readapte-se.

Passo 3

Documentação

Uma empresa que abre com problemas de documentação começa mal. Estar regularizado em todos os órgãos, ter todas as taxas pagas, conta bancária jurídica aberta, enfim, são diversos detalhes que exigem a atenção. Exceto se a empresa for uma MEI – Microempreendedor Individual – será necessária a contratação de um contador. No Plano essa lista de documento deve estar listada além, é claro, das inevitáveis taxas.

Não menosprezar esse passo pode ser especialmente essencial para o sucesso inicial da empresa. Isso não é um exagero. As leis hoje em dia são mais duras. Se uma empresa é flagrada burlando fisco ou funcionando irregularmente a chance de fechar são grandes. Além disso, para os negócios em si o problema é maior ainda.

Se empresa tiver potencial para prestar serviços a outras empresas ela encontrará um grande obstáculo para fechar contratos com grandes empresas. Essas são vigiadas mais de perto pela justiça e receita. Um contrato com uma empresa irregular, por exemplo, pode configurar co-responsabilidade.

Passo 4

Ponto de Venda

Onde o negócio vai ser aberto é algo que precisa ser escolhido com cautela. Numa pesquisa na vizinhança, num checagem aos concorrentes pode-se descobrir que um ponto não é interessante mesmo que ele esteja numa avenida movimentada.

O que é preciso saber é se há demanda na região para o negócio. Um restaurante numa área da cidade cheia de escritórios pode ser a uma boa ideia, mas é claro que já devem haver dezenas. Descubra uma estratégia nova. Talvez uma especialidade gastronômica ou valores diferenciados.

Passo 5

Financeiro

A maioria das empresas fecha por não ter um Plano de Negócio ou por ter um mal feito. E o ponto onde quase todas falham é justamente o controle financeiro. Para evitar problemas é bom definir no Plano tudo que será usado para esse setor da empresa. Metas, investimentos iniciais, softwares etc.

O problema no setor financeiro está especialmente no amadorismo. Muitos empresários aventureiros querem organizar a empresa como se fosse sua casa. Outros tantos querem fazer uma extensão da outra.

Finanças corporativas em nada têm a ver com orçamento doméstico. O gerenciamento financeiro de uma empresa tem pormenores que se ignorados podem trazer grandes prejuízos ou falência.

É importante saber que o fluxo de caixa de uma empresa só pode ser manter saudável se todos – inclusive o (os) dono (os) – o respeitarem.

 

 

 

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn