como-escolher-o-regime-de-tributação

Como escolher o regime tributário ideal para a empresa?

Quem está começando um novo negócio deve ficar atento a uma série de detalhes importantes para fazer com que ele seja bem sucedido. Uma das partes mais importantes está relacionada com a área contábil e como escolher o regime tributário que será implementado na empresa.

Isto porque uma decisão errada pode levar você a pagar mais impostos que o necessário, tendo uma despesa a mais – algo sério, principalmente no período inicial da empresa. Ou então acabar optando por um regime abaixo do necessário e, posteriormente, ter problemas com a Receita Federal por isso. Continue lendo o post!

Tipos de regime tributário

Muitos empreendedores novos sequer sabem quais são as diferenças entre cada um deles e que os prejuízos para o negócio em longo prazo. Para ajudar você que está começando, confira como escolher o regime tributário de forma consciente para que já comece sua nova organização com o pé direito e começando entendendo como funciona cada regime tributário.

Simples Nacional

O Simples Nacional é o regime tributário mais simplificado de todos, feito principalmente para Pequenas e Médias Empresas (PME). Nele paga-se uma alíquota sobre o faturamento do mês, unindo em uma única guia as taxas de IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, IPI, CPP, ISS e o ICMS.

Porém, só pode adentrar neste sistema empresas que tenham receita bruta de até R$ 3,6 milhões.

Lucro Presumido

Caso a sua empresa tenha uma receita bruta acima de R$ 3,6 milhões terá que escolher entre o sistema de Lucro Presumido ou Lucro Real. No caso do Lucro Presumido, como o próprio nome diz, a taxa de imposto arrecadada é baseada em um “lucro presumido” e pré-fixado por lei.

Isso pode ser vantajoso, caso a lei estabeleça uma presunção menor de lucro, o que fará com que você pague menos imposto. Porém, pode ser prejudicial se a lei presumir um lucro maior que o real, fazendo com que você tenha que pagar uma tarifa maior.

Neste caso as alíquotas de PIS e COFINS são pagas separadamente.

Esta é uma boa opção para empresas cujo rendimento esteja acima da margem de lucro presumida pela lei e que tenham poucos custos operacionais.

Lucro Real

O Lucro Real, como o próprio nome já diz, incide sobre o valor real arrecadado. Vale lembrar que empresas com rendimento superior a R$ 78 milhões e instituições financeiras se enquadram obrigatoriamente neste regime de tributação.

Neste caso, é preciso manter um regime contábil rígido para não ter qualquer tipo de problema que incida em multas por parte da Receita Federal ou pagar tarifas além do necessário.

É o regime indicado para empresas que tenham um rendimento abaixo do estabelecido pela lei do Lucro Presumido, para aqueles que podem ter problemas com prejuízos constantemente e empresas que possuam despesas grandes e constantes com insumos, energia elétrica e aluguel, por exemplo.

E agora? Como escolher o regime tributário?

A escolha deve ser baseada ou na realidade da empresa, caso você já possa sentir qual a rentabilidade real dela, ou então dentro da perspectiva de lucro que ela poderá dar naquele ano.

É preciso que você reavalie essa decisão todos os anos, pois o valor arrecadado e a expectativa para o próximo ano podem mudar tanto para mais quanto para menos. E, por isso, você precisa ficar atento para não ter prejuízos. Lembrando que há um período fixo para a mudança e que você deve ficar atento para não perdê-lo.

Está abrindo uma nova empresa? Então veja algumas dicas de como fazer isto de forma segura e prática.

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe um comentário