Just in time: o que é e como funciona?

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Um dos maiores desafios enfrentados pelos gestores na atualidade diz respeito à otimização do tempo em que os trabalhos são realizados, já que atrasos e lentidão nos processos costumam causar um grande impacto nos resultados gerais da empresa. Quando isso acontece em uma loja ou fábrica, os estoques também acabam ficando parados e os clientes esperando por muito tempo pelo produto que desejam comprar.

Mas será que é possível melhorar a produtividade do negócio? Desde que os gestores utilizem métodos eficazes que contribuam para o alcance desse objetivo, isso é perfeitamente possível! E para te ajudar, hoje vamos falar sobre uma estratégia para otimizar a produção das empresas que garante um estoque ‘zerado’ e elimina desperdícios e retrabalhos. Entenda o que é Just in Time, como ele funciona e que benefícios ele pode gerar para a sua empresa.

O que é Just in Time, afinal?

O Just in Time (em português, ‘na hora certa’) nasceu na década de 50, com o objetivo de reerguer as empresas nos pós-guerra. A primeira empresa que o utilizou foi a Toyota Motor Company, que a fez criar uma cultura de pouco desperdício e alto valor agregado e ganhar vantagens competitivas no mercado.

Basicamente, o Just in Time é um método que tem por objetivo alavancar a produtividade global da empresa e eliminar desperdícios. Ele também visa reduzir custos por meio do fornecimento de bens e serviços na quantidade e locais corretos e no momento exato em que eles forem solicitados. Dessa forma, a empresa passa a utilizar minimamente seus equipamentos, materiais, instalações e recursos humanos.

Com esse método, os estoques da empresa também não ficam parados e os clientes não ficam esperando muito tempo por eles, caracterizando-o como um sistema ‘puxado’ de produção.

Qual a sua relação com a metodologia Kanban?

Para alcançar seus objetivos, o Just in Time conta com várias metodologias que o ajudam a controlar os fluxos de processos e agilizar a produção. Uma delas é o Kanban (palavra japonesa que, no português, significa quadro, registro ou placa), que já explicamos em um post no blog do Sage One e tem por objetivo oferecer um produto ou serviço final melhor para o cliente, em menos tempo. Ele leva em conta três fases: to do (a fazer), doing (fazendo) e done (feito).

Quando o cartão chega à fase “done”, significa que a tarefa foi concluída, o que permite ao time iniciar a próxima. Nos cartões podem ser especificados, além do nome da tarefa, outros dados como o orçamento consumido, o tempo de execução e dificuldades enfrentadas no decorrer da realização da atividade. No JIT, o Kanban é fundamental, pois fornece uma visão e interpretação sistêmica da produção e a movimentação de itens.

Mas tão importante quanto a eficiência isolada do Just in Time e do Kanban é a interação entre eles na empresa. Enquanto o JIT promove a otimização de todo o sistema produtivo, eliminando estoques por meio da entrega de produtos e serviços na quantidade e no momento certo, o Kanban oferece um método transparente de solicitar material, também na quantidade e no momento correto, o que evita que o estoque se acumule.

Como implementar o Just in Time na minha empresa?

Para usar o Just in Time em sua empresa, você deve, antes de mais nada, se certificar de que sua equipe está realmente comprometida com a nova empreitada. Isso porque o método exigirá mudanças em todo o processo de produção e muita disciplina. O trabalho de implantação também deverá ser organizado para facilitar o trabalho da equipe e favorecer a comunicação eficaz entre os diversos setores da empresa.

blog_sagestart_geral

Abaixo, resumimos os passos que devem ser dados para a sua correta implementação:

1. Repensar todo o modelo de produção

Primeiramente, os responsáveis pela empresa devem repensar o método de produção e criar um novo leiaute que responda aos pedidos dos clientes rapidamente, sem atrasos.

2. Treinar toda a equipe

Para que a implementação do método Just in Time realmente funcione, a empresa deve treinar a sua equipe para que ela se adapte aos novos ‘moldes’ e objetivos.

3. Estabelecer novas relações com os fornecedores

O terceiro passo consiste em alinhar os processos da empresa com os fornecedores para que eles possam ofertar a quantidade de matéria-prima necessária no tempo certo.

4. Pedir a colaboração dos clientes

A empresa deve pedir aos clientes a sua colaboração para, juntos, estabilizarem a demanda de produção e estabelecerem um prazo de entrega que seja benéfico para ambas as partes.

5. Alterar toda a organização da empresa

Com o JIT, o planejamento feito pelos responsáveis deixa de ser realizado em função das projeções de vendas e passa a ser feito com base em encomendas concretas.

Depois de implementar o Just in Time na sua pequena empresa, um controle de estoque robusto deixa de ser necessário, o que permite economizar recursos e investir em outras áreas importantes da empresa, como o controle financeiro e a gestão comercial, por exemplo.

E então, o que achou do método Just in Time? Como acha que ele pode beneficiar a sua empresa? Deixe sua opinião para a gente nos comentários!

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta