Matriz BCG: como montar a sua

Você já parou para se perguntar se o atual portfólio de produtos e serviços oferecidos pela sua empresa é consistente com a demanda do mercado e competitivo com relação aos concorrentes? É mais do que saudável que, de tempos em tempos, esses questionamentos sejam colocados em pauta na sua empresa e levem à implementação de algumas mudanças por seus administradores.

A investigação acerca do tempo de vida do produto no mercado e a elaboração de análises gráficas do tipo matriz BCG podem ser ferramentas úteis para embasar decisões de sucesso. Para aprender como utilizar esse tipo de estratégia, confira nosso post!

O que é a Matriz BCG?

A matriz BCG é uma análise gráfica desenvolvida pela empresa de consultoria empresarial norte-americana Boston Consulting Group, que emprestou o nome ao gráfico (BCG). Apesar de ter sido desenvolvida na década de 1970, contando com aproximadamente 44 anos de idade, a matriz BCG continua a ter grande utilidade na gestão de empresas nos dias de hoje. Em linhas gerais, o gráfico considera duas variantes ao longo do tempo: o crescimento do mercado e a participação da empresa nesse mercado, que é calculada em valores percentuais e tem como referência seu maior concorrente.

Dentro desse ambiente delimitado pelo tamanho do mercado e pela participação da empresa em comparação aos seus maiores concorrentes, são colocados os produtos e serviços oferecidos. Assim, teremos quatro possibilidades de enquadramento de produtos:

  • Produtos com alta participação em um mercado em alta;

  • produtos com alta participação em um mercado em baixa;

  • produtos com baixa participação em um mercado em baixa;

  • e produtos com baixa participação em um mercado em alta.

Como a Matriz BCG pode ajudar a minha empresa?

Sem sombra de dúvida, ter o conhecimento a respeito desses fatores já é um passo importante para identificar oportunidades e ameaças, bem como corrigir eventuais estratégias que não vêm gerando resultados positivos. Entretanto, cada uma dessas situações distintas pede uma resposta diferente por parte do gestor.

É verdade que uma estratégia de sucesso deve ser montada em um plano individual, levando em consideração as peculiaridades de cada caso, no entanto, podemos extrair algumas conclusões gerais a respeito do produto a depender de sua classificação com base nos critérios da análise BCG.

O que é melhor para as finanças da empresa: produtos com crescimento alto ou baixo?

Para ter sucesso, a empresa deve ter uma série de produtos com diferentes taxas de crescimento, já que assim poderá organizar e equilibrar melhor seus fluxos de caixa. Produtos com altas taxas de crescimento exigem grande injeção de dinheiro para se estabilizarem, enquanto produtos com uma taxa de crescimento baixo geram excesso de caixa. Em suma, ambos são importantes, necessários e devem coexistir simultaneamente.

Em conclusão, podemos afirmar que sempre que uma empresa passa por uma dificuldade em sua trajetória (como um portfólio de produtos desatualizado ou uma perda significativa de competitividade de seus produtos no mercado), outras empresas certamente já passaram pela mesma situação no passado, permitindo-nos aprender com a sua experiência. Esse é, nitidamente, o caso da utilização da Matriz BCG, uma ferramenta desenvolvida para solucionar crises e ajudar o administrador a entender melhor seus produtos.

E você, ficou com alguma dúvida? Já faz uso da Matriz BCG na sua empresa? Conte para nós nos comentários!

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe um comentário