Cupom Fiscal Eletrônico: o que é e para que serve?

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Certamente a sua loja utiliza os cupons fiscais, aqueles comprovantes emitidos sempre que alguém faz um compra. Porém, a sua empresa já sabe o que é cupom fiscal eletrônico? Trata-se de uma novidade que vem ganhando ampla aceitação no comércio brasileiro e que, muito em breve, deverá se tornar praticamente onipresente nas compras do dia a dia.

As siglas nas quais você precisa ficar de olho para entender melhor esse assunto são a NFCe (Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica) e a SAT-CFe (Sistema Autenticador e Transmissor de Cupom Fiscal Eletrônico). Vamos entender um pouco melhor como essas novidades funcionam e de que maneira você pode se preparar para utilizar o que há de mais moderno no mercado na atualidade.

A substituição do  modelo da nota fiscal de venda pelo modelo atual deve ser feita a partir de:

  • 1º de janeiro de 2016 para os contribuintes que auferirem receita bruta maior ou igual a R$ 100 mil no ano de 2015
  • 1º de janeiro de 2017 (receita bruta maior ou igual a R$ 80 mil em 2016)
  • 1º de janeiro de 2018 (receita bruta maior ou igual a R$ 60 mil em 2017 e nos anos subsequentes

Implantação não é novidade

Embora ainda não esteja presente na maioria dos estabelecimentos, o Cupom Fiscal Eletrônico surgiu em meados de 2013. A iniciativa começou no estado de São Paulo e desde então vem se espalhando pelo Brasil. Os dois tipos em questão são os das siglas que citamos acima: a NFCe e a SAT-CFe.

A proposta do uso dessa metodologia é automatizar o processo de emissão dos cupons fiscais, facilitando o controle fiscal e reduzindo as obrigações dos contribuintes. Para o consumidor, nesses casos, sobram ainda as opções de receber o documento impresso, como ocorre tradicionalmente, ou optar por uma via por e-mail, diminuindo custos e contribuindo com o meio ambiente.

Mas por quais motivos você deveria pensar em adotar as notas fiscais eletrônicas? Listamos alguns para você considerar adotar hoje mesmo essa iniciativa em seu estabelecimento comercial>

1. Diminuindo a burocracia

O primeiro aspecto a ser observado com a implantação das notas fiscais eletrônicas é a diminuição da burocracia. Com o modelo eletrônico, cai a obrigatoriedade do uso do Emissor de Cupom Fiscal (ECF), de forma que o comerciante pode escolher qualquer impressora disponível no mercado para essa finalidade – o que torna os custos menores.

Além disso, o fato de não existir internet no local não inviabiliza os negócios, uma vez que o relatório de vendas pode ser enviado em um prazo de até 24 horas para a Secretaria da Fazenda. Em outras palavras, é o fim da autorização prévia do Fisco para a emissão do comprovante fiscal.

2. Maior segurança

Além da desburocratização do processo, há uma maior segurança em todas as ações por conta da certificação digital necessária nessas transações. É ela quem garante a autenticidade das emissões fiscais e, por conta disso, a certificação digital é obrigatória em todas as transações online.

Atualmente, as empresas que emitem a NFe, sejam elas inscritas nos regimes de lucro real ou lucro presumido, são obrigadas a manter uma certificação digital para as suas transações. Entretanto, essa é uma garantia de autenticidade e qualidade para ambas as partes.

3. Os benefícios da nova era digital

Pense na quantidade de benefícios que os smartphones trouxeram para os consumidores a partir do momento que se tornaram populares e acessíveis. Da mesma forma, podemos comparar a entrada das notas fiscais eletrônicas no mercado, uma vez que o número de benefícios compensa o investimento que você fará para a modernização dos seus sistemas.

O primeiro deles é a possibilidade de se fazer vendas móveis, usando um simples celular. Além disso, seus clientes podem receber os cupons fiscais por e-mails, reduzindo os custos com emissão de comprovantes impressos. Por meio de aplicativo, é possível visualizar a DANFe de uma compra, graças a leitura de um QR Code.

4. O processo é simples

Para migrar para a nova era das notas fiscais eletrônicas, o comerciante deve estar atento a algumas formalidades. Entretanto, o processo é simples e não requer nenhuma ação complexa. Os passos a serem observados são os seguintes:

  • Possuir certificação digital
  • Realizar um cadastro de emissor junto à Secretaria de Fazenda
  • Fazer o devido credenciamento como emitente de NFCe
  • Instalar um software emissor de NFCe
  • Solicitar o Código de Segurança do Contribuinte por meio do Portal NFCe
  • Regularizar sua situação cadastral na inscrição estadual

Alguns processos específicos podem variar de estado para estado, mas em linhas gerais esses são todos os passos que sua empresa deve seguir. Simples, não é mesmo?

LEIA MAIS:

Você sabia que o Sistema de Gestão Empresarial Sage Start, além de oferecer controle financeiro empresarial e pessoal, controle de estoque, controle de vendas, sistema de Ponto de Venda, também possui um emissor de Nota Fiscal Eletrônica incluso? Ele é completo e você pode testá-lo gratuitamente por 7 dias. Conheça:

Software de gest„o empresarial

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

2 comentários em “Cupom Fiscal Eletrônico: o que é e para que serve?

Deixe um comentário