Organize folha salarial com planilha de gastos

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Um dos principais custos das empresas é a folha salarial, principalmente aquelas que atuam no setor de serviços e são mais intensivas em mão de obra, ou seja, empregam mais pessoas. O custo do funcionário não se limita ao salário que ele recebe. Existem diversos impostos, contribuições e despesas que envolvem uma contratação.

Para avaliar o custo total dos funcionários, a empresa pode recorrer a uma planilha de gastos. Na planilha, podem ser listadas todas as despesas além do salário do funcionário.

Para ajudar sua empresa a manter o controle sobre sua folha salarial, a Cenize oferece o jFinanças Empresas. Uma solução fácil de usar e que garante a organização financeira do seu negócio.

Estudos indicam que, em média, o funcionário custa para a empresa o dobro do seu salário bruto. Em alguns casos, essa relação pode ser de quase três vezes o valor do salário, dependendo do regime tributário em que a empresa se enquadra e dos benefícios que oferece.

O primeiro custo de um funcionário é com impostos. Além do salário, a empresa precisa pagar a contribuição previdenciária ao INSS. A alíquota varia de acordo com o setor de atuação da empresa. Além disso, a empresa precisa pagar o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

Entram na conta o vale-transporte e o vale-alimentação. A maioria das empresas oferece também plano de saúde. O plano dentário é menos comum, mas também é oferecido por diversas companhias. Esses benefícios podem pesar na conta bancária da empresa, mas farão diferença para um funcionário se manter motivado e até mesmo optar por trabalhar com você e não com a concorrência.

Além dessas despesas mensais, o empresário deve considerar também que, no fim do ano, pagará o 13º salário e uma vez por ano as férias. Eventualmente, também terá custos com licença-maternidade.

A sugestão dos especialistas em finanças é que a empresa reserve dinheiro todo mês para cobrir as despesas que ocorrem apenas uma vez por ano. O ideal é somar todos esses custos, dividir por 12 e colocar o valor todo mês em um fundo de reserva, que pode até render juros.

O empresário também não pode se esquecer das despesas de rescisão de contrato, em caso de demissão sem justa causa. Muitas empresas têm dificuldade de demitir funcionários pouco produtivos por não terem dinheiro para pagar a multa rescisória. A sugestão é que esse custo também entre no cálculo mensal da empresa, como uma provisão de despesas. Caso o funcionário peça demissão, o valor reservado entra no caixa ou pode ser retirado pelos sócios na forma de lucro.

Diante de todos esses custos, o uso de uma planilha de gastos é a melhor saída para evitar surpresas na folha salarial.

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn