Os 10 mandamentos do bom investidor

Os 10 mandamentos do bom investidorInvestir não precisa ser um bicho de sete cabeças e o grande segredo para isso é o mesmo da vida: conhecer e respeitar seus limites e ter sempre um plano B. Para ajudá-los a perder o medo do mercado e começar a aproveitar o grande número de oportunidades que ele nos oferece, criamos aqui uma lista de práticas indispensáveis na hora de cuidar do seu dinheiro.

São os 10 mandamentos do bom investidor, que você deve saber de trás para frente e considerar sempre antes de tomar qualquer decisão relacionada ao seu patrimônio. Afinal, para que confiar a gestão financeira dos seus investimentos em um terceiro quando a melhor pessoa para realizá-la é você mesmo?

  1. Não cederás ao consumo por impulso: O carro novo pode esperar, assim como o smartphone e a televisão de última geração. Os apelos para o consumo estão por todos os lados e, para resistir a eles, é fundamental ter foco e saber a hora certa de consumir e de poupar.
  2. Não gastarás mais do que ganhas: Um dos principais erros do brasileiro é a inconsequência de não se preocupar em controlar suas despesas mensais. Antes de começar a gastar o salário, faça uma planilha com todos os seus gastos mensais, fixos e variáveis. Estipule metas para os variáveis e faça seus gastos caberem dentro do quanto você ganha, nem que para isso você precise rever seus padrões de consumo.
  3. Pouparás ao menos 10% do que ganha todos os meses: Outro erro bastante comum é deixar para guardar na poupança tudo o que sobrar no final do mês. Você já reparou que nunca sobra nada? A poupança mensal deve ser enquadrada entre as suas despesas na sua planilha de gastos mensais e deve ser a primeira da lista a ser quitada.
  4. Construirás uma reserva de emergência antes de qualquer coisa: O primeiro objetivo dessa poupança mensal deverá ser a construção de uma reserva de emergência, um colchão financeiro para os momentos imprevistos da vida. Especialistas recomendam que essa reserva seja de três a seis salários.
  5. Esquecerás o significado de crédito rotativo e cheque especial: Uma das principais utilidades de se construir a reserva de emergência é parar de tomar empréstimos de última hora. Se você possui um colchão financeiro, naqueles meses em que houver mais imprevistos (uma emergência médica ou uma multa de trânsito, por exemplo), não precisará entrar no cheque especial e nem pagar o mínimo da fatura do cartão. Essas modalidades de empréstimo cobram os juros mais caros do mercado.
  6. Terás objetivos financeiros de curto, médio e longo prazo: Guardar dinheiro com propósito é muito mais fácil. Afinal, poupar nada mais é do que renunciar ao consumo hoje e, para fazermos isso sem peso, é fundamental termos um objetivo claro que nos motive a fazer esse sacrifício. Planeje que você deseja para daqui a um ano, cinco e até 30: uma viagem, uma casa de praia, um negócio próprio?
  7. Não colocarás todos os ovos na mesma cesta: Diversificar é a palavra chave para o investidor de sucesso. Depois de construir sua reserva de emergência, é hora de começar a procurar outras opções de investimento, que ofereçam riscos um pouco maiores e, consequentemente, retornos mais atrativos do que o da poupança.
  8. Só investirás com conhecimento: Não querer pagar de espertinho e sair por aí investindo no que os amigos falaram ou no que você acha que está na moda. Requisito básico para investir é ter o mínimo de consciência e conhecimento sobre o mercado financeiro. Para isso, visite sites especializados e procure a assessoria de profissionais de mercado.Os 10 mandamentos do bom investidor_2
  9. Só entrarás na bolsa de valores na hora certa: É verdade que o brasileiro investe muito menos em ações do que deveria. Mas também não é por isso que você vai sair por aí comprando qualquer coisa. Investir na bolsa é sinônimo de correr mais riscos e muitas vezes ter que realizar prejuízos ou aguentar firme quando o preço de seus ativos cair demais. Para investidores iniciantes, não tem jeito: o segredo é pedir ajuda a quem entende do assunto até que você se sinta seguro para começar a arriscar por si só.
  10. Não pagarás taxas de administração abusivas: Estudo recente publicado pela revista Exame mostrou que muitos brasileiros desconhecem as taxas de administração cobradas sobre seus investimentos. Informar-se sobre os custos envolvidos e pesquisar taxas (assim como fazemos nas lojas) é fundamental antes de escolher em qual instituição financeira alocar seus investimentos.

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn