Quais são os principais riscos ao atrasar obrigações tributárias?

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Se existe uma certeza nessa vida é que os impostos precisam ser pagos, diz um ditado popular. Não é para menos. O governo tem muitos mecanismos de cobrança e se utiliza de todos eles para que taxas e tributações sejam pagas na data de vencimento ou, quando muito, alguns meses depois. Porém, para aqueles que estão sem caixa e pensam em deixar esses pagamentos para depois, é importante saber quais são os principais riscos ao atrasar obrigações tributárias.

Você sabe quais são eles? Basicamente, há três “punições” que o governo encontra para fazer com que você coloque o pagamento dos tributos como uma prioridade na sua empresa. Vamos entender um pouco mais sobre cada uma delas.

1. Fora de licitações públicas

Trabalhar para o governo é uma das maneiras encontradas pelas empresas para aumentar o seu faturamento. Por conta das altas demandas, em geral aqueles que participam de licitações precisam atender um grande número de exigências e uma delas é estar com todos os impostos em dia. Uma empresa com atraso no pagamento dos tributos devidos não pode participar de licitações.

Esse impedimento se dá a partir do momento que ela entra no cadastro de inadimplentes. Alguns estados e municípios podem até mesmo incluir um período de quarentena – como não ter o nome constando no cadastro de inadimplentes nos últimos 12 meses, por exemplo. Ou seja, se a sua empresa tem como uma das prioridades o atendimento a órgãos públicos, atrasar qualquer pagamento de impostos pode transformar as perspectivas da sua empresa em um pesadelo.

2. Juros e multas

Pode ser que você não se importe muito com o fato de não participar de licitações, mas quando o governo mexe no seu bolso certamente você tem um problema nas mãos. Caso você não pague em dias as suas obrigações tributárias, é bem provável que você tenha que arcar com juros e multas sobre os valores devidos, transformando a sua dívida em um valor muito maior do que o original.

Em alguns casos, essas multas podem ser pesadas e, por conta disso, a recomendação é que mesmo que a sua empresa esteja com o caixa no vermelho, coloque como prioridade a quitação de dívidas como essas. Em algumas situações, compensa mais pedir um empréstimo e pagar juros para um banco do que incorrer no pagamento das multas e dos juros para o governo.

Como temos uma série de impostos que incidem sobre o faturamento de uma empresa, não há como estabelecer uma regra para o pagamento dos tributos em atraso. Cada tributo tem a sua forma de cálculo, bem como as alíquotas específicas para multas e juros por atraso. Alguns tributos chegam a cobrar multa por dia de atraso, o que pode transformar a sua dívida em uma bola de neve.

3. Negativação de crédito

Por fim, outra consequência advinda do não pagamentos dos tributos é negativação do crédito junto aos órgãos financeiros. Se você pretende conseguir um empréstimo bancário, por exemplo, certamente a agência em questão vai avaliar qual é a sua situação financeira com relação aos tributos devidos. Apenas um deles em atraso já é motivo mais do que suficiente para que lhe sejam negadas linhas de crédito especial ou mesmo simples empréstimos.

A saúde financeira é algo extremamente valioso para uma empresa e, por conta disso, não convém colocar tudo a perder pelo simples fato de deixar alguns impostos vencerem. Por isso, coloque-os sempre na sua lista de prioridades e mesmo nos meses em que não houver necessidade de pagamento, faça os devidos provisionamentos para que eles possam ser quitados nas datas de vencimento.

LEIA MAIS:

Quer estar sempre em dia? Você precisa de um sistema de gestão empresarial que possibilite controle financeiro, controle de estoques, controle de vendas, que emita notas fiscais eletrônicas e também possa atuar em pontos de venda. A boa notícia? O Sage Start é completo e sua empresa pode testar por 7 dias, confira!

Software de gest„o empresarial

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe um comentário