Receita da Sage cresce 23% no Brasil e impulsiona resultados do 1º semestre

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

A Sage, líder em sistemas para pequenas e médias empresas, acaba de anunciar os resultados globais financeiros referentes ao primeiro semestre do seu ano fiscal de 2017.

O Brasil foi um dos grandes destaques das principais regiões geográficas da área de atuação da empresa, com taxa de crescimento acelerada na aquisição de novos clientes. O aumento orgânico da receita no período foi de 23%, contra 8% no mesmo período de 2016. Este desempenho foi impulsionado pelo crescimento recorrente de dois dígitos, além do aumento da receita das vendas de serviços nos primeiros seis meses fiscais da empresa, especialmente no negócio de software, que cresceu 33%.

“É um resultado excepcional, uma grande vitória do esforço das nossas pessoas que fazem a diferença todos os dias e também dos nossos parceiros em todo o país!” — destaca Jorge Santos Carneiro, Presidente da Sage Brasil e América Latina

Durante o período, o Brasil obteve crescimento nas receitas do Sage One — emissor e armazenador de nota fiscal eletrônica na nuvem — a uma taxa de três dígitos, com mais de 100 mil unidades vendidas nos últimos seis meses, alcançando 138 mil clientes.

A base de clientes do Sage Start no país — software de gestão empresarial — também teve expansão importante, passando para 28 mil após a venda de 18 mil unidades no período.

“O crescimento crescente e consistente da Sage Brasil mostra que estamos no caminho certo, atraindo, em especial, os pequenos e médios negócios que reconhecem a empresa como uma parceira ideal para alavancar os seus negócios. Continuamos empenhados no compromisso de  sermos cada vez mais uma voz ativa em prol dos empreendedores em todo o país”, explica Carneiro

Resultados Globais

Desempenho operacional

  • Alcançado:
    • Crescimento orgânico (1) de 6,4% na receita (excluindo Pagamentos da América do Norte) no primeiro semestre de 2017, com maior crescimento orgânico na receita de 7,0% no segundo trimestre (primeiro semestre de 2016: 6,6%);
    • Crescimento normalizado (1) de 5,7% na receita (incluindo Pagamentos da América do Norte) no primeiro semestre de 2017, com crescimento normalizado de 6,3% no segundo trimestre (primeiro semestre de 2016: 6,2%);
  • Crescimento orgânico recorrente de 9,9% na receita (primeiro semestre de 2016: 10,0%) e crescimento de 30,5% em assinaturas de software (primeiro semestre de 2016: 34,8%), com redução gerenciada de 7,5% na receita do setor de software e serviços relacionados, de acordo com a migração planejada para assinaturas (primeiro semestre de 2016: redução de 6,2% no setor de software e serviços relacionados, ou SSRS);
  • Obtenção de margem operacional orgânica de 25,2% (primeiro semestre de 2016: 25,6%), de acordo com o investimento planejado para o primeiro semestre, empregado em ações para acelerar o ritmo do segundo semestre;
  • Conversão de liquidez normalizada em 104% (primeiro semestre de 2016: 111%), oferecendo suporte ao fluxo de caixa livre de £ 166 milhões (primeiro semestre de 2016: £ 142 milhões) e aumento de 8,8% no dividendo intermediário, para 5,22 p;
  • As despesas gerais e administrativas (G&A) em relação à receita foram reduzidas para 15,2% (primeiro semestre de 2016: 19,7%);
  • Itens não recorrentes (custos excepcionais) de £ 19 milhões (primeiro semestre de 2016: £ 29 milhões) garantiram a economia de custos anual de £ 28 milhões nos primeiros seis meses do ano (primeiro semestre de 2016: £ 17 milhões), os quais serão reinvestidos em vendas e marketing para alavancar o crescimento. Continuamos rumo a uma economia anual superior a £ 50 milhões.
  1. Consulte a definição completa de receita orgânica e receita normalizada no Apêndice II, localizado na página 17.
RESUMO FINANCEIRO 1.º SEM. 2017 1.º SEM. 2016 Variação
Receita orgânica £ 838 milhões £ 787 milhões 6,4%
–       Receita recorrente £ 647 milhões £ 589 milhões 9,9%
–       Receita de processamento £ 44 milhões £ 39 milhões 11,1%
–       Receita  de serviços relacionados £ 147 milhões £ 159 milhões -7,5%
Receita normalizada £ 912 milhões £ 863 milhões 5,7%
Lucro operacional orgânico £ 211 milhões £ 201 milhões 5,0%
Margem de lucro operacional orgânico 25,2% 25,6% -0,4%
Lucro por ação (EPS) normalizado básico 14,45 p  14,17 p 2,0%
Conversão de liquidez normalizado  104% 111% -7,0%
Dividendo ordinário por ação  5,22 p  4,80 p 8,8%
  1. Como resultado do arredondamento neste documento, é possível que não haja precisão na apresentação das tabelas e no cálculo de percentuais de variação.
  2. Todas as comparações são realizadas em relação ao primeiro semestre de 2016, a não ser que expresso de outra forma.
  3. Salvo indicação em contrário, todas as medidas de crescimento de receita são indicadas em base orgânica com taxas de câmbio constantes. Consulte o Apêndice II, localizado na página 17, para obter as definições completas de medidas em desacordo com os princípios contábeis geralmente aceitos (GAAP) e a observação 3 das demonstrações financeiras para obter informações sobre os itens excluídos do lucro operacional normalizado.
RESUMO ESTATUTÁRIO – OPERAÇÕES EM CONTINUIDADE 1.º SEM. 2017 1.º SEM. 2016 Variação
Receita £ 840 milhões £ 684 milhões 22,7%
Lucro operacional £ 180 milhões £ 137 milhões 31,6%
Lucro antes de impostos £ 180 milhões £ 128 milhões 41,1%
Lucro por ação (EPS) básico 12,57 p 9,11 p 38,0%

O desempenho estatutário foi influenciado positivamente por movimentos nas principais taxas de câmbio durante o ano em todas as principais moedas.

Criação de um modelo de negócios para acelerar o crescimento

  • A aquisição de novos clientes começa a ganhar força através da iniciativa “Cloud First”:
    • A receita recorrente anual (ARR) da solução Sage One aumentou em 88%, para £ 22 milhões, com valor médio de contrato anual de £ 70;
    • Os clientes da solução Sage Live atingiram o número de 889, com valor médio de contrato anual em £ 1.800 em março;
    • A receita da solução Sage X3 aumentou em 17%, com 200 novos clientes adicionados no primeiro semestre;
    • Lançamento de nossos produtos de gestão em nuvem nas principais regiões onde atuamos, com 52 lançamentos planejados para o exercício de 2017;
  • Aquisição das empresas Farsail e Compass anunciadas no primeiro semestre de 2017;
  • Concluída a revisão estratégica da área de Pagamentos, sendo que a área de Pagamentos da América do Norte agora é classificada como ativo retido para venda e operação descontinuada. Os negócios do Sage Pay na região do Reino Unido e Irlanda e do Sage Pay na África do Sul serão mantidos por oferecerem soluções integradas essenciais para a estratégia.

Stephen Kelly, diretor executivo, comentou:

“Estes são resultados positivos e condizentes com as expectativas do mercado e há sinais claros de que a nossa estratégia está funcionando, já que sete de nossas nove maiores regiões – que conjuntamente geram 95% de nossa receita (5) – apresentaram crescimento superior às nossas orientações de receita. Os investimentos em go-to-market já começaram a produzir frutos: nossos produtos habilitados para nuvem apresentam forte crescimento e fizemos progressos em nossa estratégia de aquisição de novos clientes, aumentando o ritmo do segundo trimestre, que será mantido durante o segundo semestre até o final do exercício de 2017.

A atualização de nossa estratégia de pagamentos e serviços bancários e a aquisição da Fairsail mostram nosso compromisso com os nossos três pilares essenciais: contabilidade, gestão de pessoas e folha de pagamentos e pagamentos e serviços bancários, reforçados por nossas soluções em nuvem. A Sage está concentrada em continuar investindo em crescimento, predominantemente por meio da aquisição de novos clientes, com produtos em nuvem e com o apoio de aquisições que acelerem a estratégia”.

Perspectiva

Os negócios definidos e constituídos no momento da publicação das orientações para o exercício de 2017 incluem Pagamentos da América do Norte e excluem as contribuições das aquisições do exercício de 2017. Baseados nessas informações, estamos confiantes de que superaremos o crescimento de 6% na receita definido como orientação para o ano.

Além disso, reiteramos nossa orientação de, pelo menos, 27% de margem operacional em uma base normalizada, em que as aquisições não apresentam impacto diluidor. Nós confirmamos que não haverá despesas excepcionais relacionadas ao processo de transformação após o exercício de 2017 e que não esperamos que as despesas excepcionais do ano atual ultrapassem £ 75 milhões.

Acreditamos que nosso bom desempenho no segundo trimestre continue ao longo do segundo semestre, com ritmo acelerado até o final do exercício de 2017.

Conheça as soluções da Sage: www.sage.com.br

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe um comentário