Você conhece o Quadrante de Fluxo de Caixa?

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Você conhece o Quadrante de Fluxo de Caixa? Ainda que já esteja familiarizado com o próprio conceito de fluxo de caixa, todo empreendedor deve refletir sobre sua posição nesse quadrante, sobre as formas de recebíveis de sua empresa e como ela tem se posicionado em relação ao dinheiro.

Essa é uma importante ferramenta à disposição de gestores financeiros e indivíduos que se preocupam com sua própria renda. Saiba mais informações sobre o Quadrante de Fluxo de Caixa e mude já seu posicionamento em relação ao dinheiro de seus negócios:

O que é o Quadrante de Fluxo de Caixa

Esse conceito foi criado por Robert Kiyosaki, o autor do livro Pai rico, pai pobre, que traz diversos conceitos interessantes sobre a relação que temos com o dinheiro. De acordo com o quadrante, 90% das pessoas são empregados (quadrante E) ou autônomos (quadrante A), que trabalham por razões de segurança e que têm medo de perder seu emprego. Esse quadrante é representado em seu livro pelo pai pobre, aquele que está sempre em busca de estudos para alavancar a carreira, o salário, etc. Mas o fruto do trabalho dessas pessoas é apropriado por outras pessoas. Os empregados são apenas a forma produtiva, dependentes do dinheiro.

O quadrante D representa os donos dos negócios. Essas pessoas não dedicam necessariamente seu tempo à obtenção de dinheiro. Basicamente, o que garante a obtenção de rendimentos para essas pessoas é a concessão de ativos, assim como ocorre com os investidores (quadrante I). Enquanto 90% das pessoas trabalham em troca de dinheiro, esses 10% da população (investidores e donos) fazem o dinheiro trabalhar por eles. São pessoas com liberdade financeira, que passam mais tempo com a família e se representam no livro de Kiyosaki.

Como transformar isso a seu favor? Como ganhar mais dinheiro?

Segundo Robert Kiyosaki, a melhor forma de ganhar dinheiro hoje em dia seria por meio da mudança de quadrante, da obtenção de maior liberdade em relação aos quadrantes E e A do esquema. Ou seja, aplicado ao contexto do mercado econômico, a sugestão seria a de busca por maior autonomia, por maior independência financeira e gerencial de suas atividades.

Muitos empregados (E) e trabalhadores autônomos (A) não possuem o capital inicial necessário para começar o negócio dos sonhos, mas isso não significa que essas pessoas não possam empreender. Que tal expandir um pouco o leque de opções e buscar negócios que requeiram baixos investimentos iniciais?

Além disso, para mudar de quadrante, também é possível buscar novas formas de geração de renda, não necessariamente ligadas à propriedade de ativos, mas que ainda assim tenham como finalidade o aumento dos bens com os quais você pode contar. Esse é o caso, por exemplo, das novas formas de produção digital, que envolvem a venda de conteúdo por meio de ferramentas como vídeos, e-books, blogs, etc. Essas opções de produtos têm baixos custos iniciais de produção, mas podem render frutos interessantes com o passar do tempo e, eventualmente, te reposicionar no Quadrante do Fluxo de Caixa.

O que achou do Quadrante de Fluxo de Caixa? Que tal colocar em prática agora as mudanças de quadrante em sua própria vida? Para receber mais informações sobre esse tema, deixe suas dúvidas e comentários abaixo!

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe um comentário